Title image

links


links

links


links


dot Trabalhos dos alunos


30 agosto 2009

Tróia - Comporta - Portugal




Na década de 60 do século XX fui, pela primeira vez, à praia, em Tróia. Era um paraíso terreste...

Não havia casas em alvenaria e as pessoas eram muito poucas.








Depois, uma GRANDE extensão de areia sem nada, para além das dunas, e da paisagem natural...




...no horizonte a Serra da Arrábida.

Tróia é uma das minhas zonas de eleição para fazer praia, pela água e pelas areias e pela envolvência Natural.



Fauna: libelinha nas dunas...




...diversidade vegetal,






Vegetação das dunas, até quando?
















À direita, a camarinheira, um arbusto das dunas com camarinhas, que é um fruto selvagem comestível, ao mesmo tempo doce e refrescante.

Foi-me oferecido um livro «Quando a Tróia era do Povo», feito por alunos de 9º ano da Escola Secundária D. João II de Setúbal. Dele, passo a citar um excerto datado de 1961, da autoria do arquitecto Rafael Botelho, num artigo intitulado «A Península de Setúbal é uma zona privilegiada que importa defender», publicado no jornal Diário de Lisboa:



«Tróia, tal como a Arrábida, fonte de beleza e saúde fisica e mental, como centro de recreio e cultura, que exige medidas de protecção, conservação e valorização, com a criação de um parque nacional e que, como noutros países, seja dedicado ao povo para seu benefício, educação e recreio e, como tal, conservado e usado por forma que se mantenha intacto para gozo das gerações futuras.»

O autor considera que «a valorização não pode nem deve ser obtida através da construção. Deve assentar no proveito integral dos valores naturais e nos seus excepcionais recursos, que não podem ser alterados ou prejudicados.

... Tróia e Arrábida devem ser encarados como munumentos, museu, laboratório aula de ciências naturais e, por isso, certas áreas merecem e exigem medidas de protecção e conservação integral - Reservas Naturais.»



Tróia há muito que foi alterada. Talvez esteja com melhor aspecto e tratamento do que há uns anos atrás, quando tudo se encontrava com um ar degradado. Hoje, conforme algumas noções de turismo, está assim...

Interessa saber até que ponto é salvaguardado o património natural com a sua biodiversidade e os reais interesses das comunidades humanas circundantes.



Neste Verão fui até à Comporta, fazer praia...








Os golfinhos, velhos conhecidos, ainda vieram cumprimentar-me...

submetido por Lourdes em 19:20 | 4 comentários links para este post

Setúbal - Portugal




Mais ou menos na década de 60, do século XX, Setúbal era um local onde eu ia fazer campismo com a Ana, a minha amiga de infância...

















Há alguns dias fui até Setúbal visitar uns amigos que me levaram pelo passeio pedeste, junto ao rio, integrado no Parque da cidade.
















O parque da cidade de Setúbal está muito agradável.






Gostei de me passear por lá, de recordar a minha infância... Outrora foi parque de campismo; hoje é o passeio da cidade, junto ao rio Sado.



A gruta, que ficava no fundo do parque, hoje está emparedada, já não se pode ir lá «aos gambuzinos»...

submetido por Lourdes em 18:17 | 3 comentários links para este post

29 agosto 2009

Monsaraz - Alentejo - Portugal

Esta região foi habitada desde os tempos pré-históricos, nela viveram diversos povos que nos deixaram, como testemunho da sua passagem, monumentos megalíticos.

A título de exemplo, do lado esquerdo, temos a Anta do Olival da Pega, monumento que data de 3500 a 3000 A.C.





A Vila de Monsaraz fica no Alentejo. Devido à sua posição geográfica, a colina de Monsaraz sempre ocupou um importante lugar na História do concelho, tendo sido ocupada por diversos povos desde a pré-história.








No século VIII, era dominada pelo Islão, passando a chamar-se Saris, e fazendo parte do reino de Badajoz, um dos mais importantes focos de cultura árabe de então.









Em 1232, foi conquistada definitivamente aos muçulmanos por D. Sancho II, apoiado por cavaleiros templários. A vila foi, por isso, posteriormente doada à Ordem do Templo.













Em cima, um painel com vários exemplares de de tecidos, com técnica de tecelagem manual que remonta às origens da Vila de Monsaraz.

À direita, a loja da Mizette Nielsen, que divulga, preserva e vende os lanifícios alentejanos e outras formas de artesanato.


Vista do castelo onde, actualmente, a barragem do Alqueva (o maior lago artificial da Europa) nos proporciona magníficas paisagens como esta.















Uma das portas de Monsaraz

à esquerda Porta d'Alcoba










No passeio que demos, o almoço foi no restaurante «Alcaide» com uma belíssima paisagem da planície, onde a gastronomia alentejana nos deu o prazer dos sabores daquela região, ancestrais e bem portugueses.

























Em Monsaraz, o património histórico, a cultura, a paisagem, a gastronomia e o artesanato interagem e enriquecem-se mutuamente.

submetido por Lourdes em 17:37 | 3 comentários links para este post

24 agosto 2009

Palácio de Monserrate - Sintra

Este palácio foi transformado em residência de Verão, no ano de 1856, pelo arquitecto inglês T. Knowles, para ser habitado pela família Cook.










A reconstrução foi feita a partir das ruinas da mansão neo-gótica, edificada por Gerard de Visme.

Actualmente está a sofrer obras de restauro depois de ter estado muitos anos fechado ao público.













Francis Cook foi o 1º Visconde de Monserrate; foi ele o responsável pela concepção do actual jardim.
Na fotografia à esquerda podemos ver a maior árvore do jardim, a Araucária-de-Norfolk. A sua altura é de 50 metros.







Ao passear pelo jardim, que também está a ser recuperado, vamos encontrando muitas mais árvores, também elas imponentes.













Em 1995, a UNESCO classificou a Serra de Sintra como Paisagem Cultural - Património da Humanidade.
O Palácio e a Quinta de Monserrate são parte desse Património.

Horário de visita, até 15 de Setembro: das 9h às 20h

submetido por Lourdes em 22:51 | 1 comentários links para este post

19 agosto 2009

Castelo dos Templários - Tomar
Castelo de Almourol


Ficam na cidade de Tomar e são uma referência na arquitectura Portuguesa.







Este espaço revela valores culturais históricos, arquitectónicos, artísticos, arqueológicos e paisagísticos








Charola - primitivo templo românico dos Templários







Claustro da Lavagem









Tardo-gótico Manuelino





Janela manuelina do Capítulo do Convento









À saída do monumento a cor, o aroma e o sabor da fruta e, ainda, das ervas, que são também marcos da nossa cultura.








Na cidade, a arte urbana oferece-nos a conversa entre Fernando Lopes Graça - compositor, maestro e pedagogo - e Fernando Araújo Ferreira - poeta, farmaceuta, jornalista e precursor da ecologia.












Calçada portuguesa em Tomar

Rio Nabão

Vila Nova da Barquinha - Tancos

submetido por Lourdes em 21:20 | 2 comentários links para este post