Title image

links


links

links


links


dot Trabalhos dos alunos


30 março 2011

Parabéns, Eduardo Souto Moura

Boa Notícia

O arquiteto, Eduardo Souto Moura, foi galaduardo com o prémio Pritzker, na terça-feira, dia 29 de Março de 2011. ,

submetido por Lourdes em 22:01 | 2 comentários links para este post

21 março 2011

Aula no exterior

Desenhando as árvores da escola




























submetido por Lourdes em 19:21 | 1 comentários links para este post

20 março 2011

Noites com Poemas -



«Quando a rotina se transforma em viagem»


com Eduardo Salavisa e João Seixas







Resumo da sessão

Breves apontamentos de Miguel Brito



«Um caderno é uma boa companhia. Grande ou pequeno, tem a vantagem de fornecer companhia, sobretudo quando se viaja sozinho, o que aumenta a disponibilidade da pessoa, disponível para ver o que se nos oferece, e o dia a dia pode ser uma viagem, que começa no quotidiano.





Cada desenho é o registo de uma memória, faz lembrar um tema, e espaço, e tempo de vida. Desenhar é permitir rever a vida, um registo biográfico de acontecimentos. São recordações intensas, porque quando desenhamos são desenhos no exterior, momentos fugazes que exigem atenção de todos os sentidos, e plasmam o tempo acontecido.
Cadernos que servem para tudo e para nada, às vezes podendo passar a livro. Desenhar em viagem é como viver o lugar, fazer parte da comunidade, participar visualmente nos acontecimentos pelo desenho. Transformar o quotidiano em viagem é pôr a vida numa perspectiva diferente, ganhando uma visão abrangente.
O maior problema do desenho é exigir tempo, e por isso é mais complexo de gerir em viagem de grupo, por eventual divergências de interesses. Um caderno é um laboratório portátil, tem privacidade e é transportável. Permite experimentar técnicas simples. Desenho rapidamente a caneta e pinto em casa. Os desenhos do dia a dia não se fazem, vão-se fazendo.

Escrever também é desenhar, é desenhar as letras e as ideias com palavras. Cada desenho é um deslumbramento de ideias. Temos que olhar para o quotidiano e ver os lugares em nós.
Pensar a cidade como um ser vivo. Precisamos de nos deslumbrar com a envolvente, descobrir na rotina o momento de liberdade. Precisamos de viajar, no sentido de liberdade em meros momentos do quotidiano, em que precisamos de descobrir a nobreza e excepcionalidade no quotidiano e nos simples e pequenos lugares que povoam a nossa vivência diária.



Património visual é e deve ser tudo, o suporte de comunicação entre tudo, em que a cidade activa todas as componentes culturais. Desenhar tudo é essencial para a nossa recomposição do mundo, para determinar a rede de suporte da nossa integridade mental, reinventar e contar a história dos dias, intensificando o viver e o sentir.

Desenhar tudo é essencial para perceber o que vemos e o que vivemos. Estamos num mundo visual fragmentado, e é importante descobrir o caminho da singularidade pessoal, vivência de interpretação de cada um. Conhecer e interrogar a cidade é pensar-se sobre si próprio. Lisboa hoje não é uma cidade, é uma região, uma vasta área de influência, lógica centrífuga e de eterno movimento, desdobramento e reflexos. Desenhar é viver a esperança em relação aos nossos quotidianos. O ser humano é urbano, é tecer conexos entre todos, formar sociedade.



Desenhos - Eduardo Salavisa



Desenhar é mostrar vivências, de quotidianos assimilados. Ao desenhar aprende-se a ver, e a aprender a ver, aprende-se a estar desperto e estimulado pela curiosidade ao que nos rodeia. Poder passear pela proximidade, com um novo olhar, permite a liberdade de reinventar e ganhar riqueza no valor do quotidiano, valorar os dias, ganhar sentido de vida.
Desenhar é contribuir para dar olhares sobre os lugares, os acontecimentos, os instantes, e em suma, a vida.
Reinventar uma leitura, perceber como o olhar forma uma imagem, e como as imagens marcam a vida e a caracterizam. Desenha ré iluminar a cidade com uma nova luz, com uma cor de vida que nos define o olhar. A prender a desenhar é aprender a viver de outro modo, é aprender novas perspectivas e aprender novas visões.

“Lisboa é uma cidade em tom de fado” (Baptista Bastos)

Pode representar-se o real? Apenas suposições, apenas visões. Apenas tudo, apenas nada, apenas vida. »



Poeta e dinamizador das sessões - Jorge Castro


A vida é feita de vivências e de sentires. Os poetas também disseram a poesia sentida em vivências quotidianas, também elas se transformaram em viagens para quem as ouviu.

Estas sessões tem lugar na Biblioteca Municipal de S. Domingos de Rana (Cascais- Portugal) todas as terceiras sextas feiras de cada mês pelas 21,30h.

submetido por Lourdes em 18:00 | 0 comentários links para este post

10 março 2011

Pintura em azulejos


Composição com corpos humanos, estudo da cor para pintura em de azulejos

Picotar o desenho para ser passado para o azulejo

Paleta de cores

Pintura

Painel com dois azulejos


6ºAno Turma G, da Escola Conde de Oeiras.

submetido por Lourdes em 18:10 | 1 comentários links para este post

06 março 2011

Carnaval 2011

Na Escola Conde de Oeiras, na sexta-feira, houve Carnaval.
Alunos e professores no ativo e reformados (convidados) pintaram os rostos para que o Carnaval continue a ser uma festa de brincadeira e criatividade


A Escola António Arroio é uma referência nos desfiles de Carnaval criativos dá uma espreitadela no blog Artistas na Praiamar da Lua

submetido por Lourdes em 21:49 | 2 comentários links para este post