Title image

links


links

links


links


dot Trabalhos dos alunos


24 fevereiro 2007

É fim de semana; a arte está por aí...

OEIRAS - Escultura de carácter público -

- Passeio Marítimo – “O Rabo da Baleia”


Augusto Cid é cartoonista e escultor. Nasceu nos Açores, em 1941, na cidade da Horta, na ilha do Faial, ilha conhecida pela antiga caça à baleia. Veio para Portugal continental muito novo, digamos que antes de ter consciência plena do local onde nascera.

Leu, depois, muito sobre a caça à baleia, talvez para saber algo mais sobre a sua terra natal.

“O rabo da baleia”, este projecto escultórico de que é autor, esteve proposto para a ilha do Faial, mas entretanto aconteceu um terramoto que inviabilizou a concretização do projecto. A Câmara do Faial tinha de fazer face aos estragos causados pelo terramoto, não podendo disponibilizar as verbas necessárias para viabilizar a escultura. O autor do projecto já considerava que aquele era um projecto mal fadado, por estar a arrastar-se há muito tempo sem local para nascer.

Afinal, veio a acontecer na zona marítima de Oeiras, onde o grande cetáceo nos aparece a fazer parte do passeio marítimo.

- Que ligação tem o autor desta escultura com os Açores?

- Qual o nome do escultor?

- E que nome damos ao cetáceo?

- De que material é feita a escultura?

- O chão onde está implantada tem alguma relação com a escultura?

- As proporções são grandes ou pequenas?

- A envolvência daquele local está ou não ligada ao mar?

- Uma escultura poderá ser um ponto de referência?

Naquele local poderás apreciar a escultura de que aqui se fala e usufruir de uma paisagem agradável. Vai até lá usufrui-la com amigos ou familiares.

submetido por Lourdes em 18:31 | 9 comentários links para este post

16 fevereiro 2007

Hoje houve CARNAVAL na escola...


.... ....

A sala de Educação Visual e Tecnológica transformou-se em atelier de pinturas faciais.


As professoras Anabela Mendes, Margarida Costa, Lourdes Calmeiro, Júlia Bio, Graça Madeira e Rosa António estiveram a pintar os alunos. A professora Isabel Timóteo foi uma preciosa ajuda na organização e coordenação do atelier.

A participação dos alunos, de mãos dadas com a animação das professoras, criaram bons e divertidos momentos, onde o tabalho e a alegria do convívio proporcionaram um espaço de criatividade.
À tarde, houve desfile seguido de concurso



E as vencedoras foram
as alunas
Inês L do 5º J
e
Rita M. do 6ºH

(Ver mais fotos nos Arquivos Fotográficos)


submetido por Lourdes em 18:37 | 18 comentários links para este post

10 fevereiro 2007

Namoro mais português

Pegámos na tradição popular e, com ela, propusemo-nos a dar um cunho mais português ao Dia dos Namorados. Com essa fonte de inspiração criámos os nossos próprios lenços para oferecermos a alguém por quem tenhamos especial afecto e carinho, no próximo dia 14 de Fevereiro.



Como sabes, ao longo de toda a História, nós, Portugueses, procurámos para além das nossas fronteiras o que por cá não nos bastava. Assim aconteceu na época dos Descobrimentos, fosse para ganhar o sustento noutro lugar, fosse por razões de conquista e dominação.

Em casa ficavam as mulheres, tristes e sós, mas sempre vivendo com a esperança de que um dia o seu companheiro regressasse.



No momento da partida, em certas regiões do norte de Portugal, foi até criado o costume de a rapariga oferecer um lenço ao seu preferido, no momento da partida. Lenço que era bordado por ela e que continha uma quadra da sua autoria. Continha, também, símbolos com flores - como a rosa, o lírio, os cravos vermelhos - e também pombas, corações e outros elementos decorativos. Esses símbolos tinham significados que o rapaz tinha como tarefa interpretar, descobrindo o afecto nele demonstrado.

Se o rapaz entendia e gostava do que lia no lenço, passava a usá-lo como prova de amor correspondido.


Este costume tem séculos. Porquê deixá-lo extinguir-se se permanecem razões para o manter, como seja, hoje em dia, o Dia dos Namorados?

Proponho, pois, uma pesquisa sobre os Lenços dos Namorados, tentando cada um descobrir em que povoação essa tradição se manteve e mantém ao longo dos tempos.

Diz-me em que século apareceram os Lenços dos Namorados?

Quem os usava, inicialmente? Os nobres ou o povo? E depois o que aconteceu?

Já disse mais acima que as raparigas escreviam quadras nos lenços. Sabes que essas quadras por vezes continham erros de Português, sendo um dos mais frequentes a troca dos "V" pelos "B". Sabes porquê? (Se tiveres dificuldades, experimente perguntar ao Professor de Português).

As turmas que participaram neste trabalho foram: O, 5º A, 5º J e 6º E
da Escola Conde de Oeiras, em Oeiras

submetido por Lourdes em 21:50 | 3 comentários links para este post

03 fevereiro 2007

A escola viva na Livraria Galeria Verney...

A Dra. Maria José mais uma vez por lá nos recebeu, tirando dúvidas para melhor apreciarmos as obras que estão expostas na Livraria Galeria Municipal Verney (Oeiras).



Desta vez os artistas plásticos que encontrámos foram: Albino Moura e João Duarte;



a escritora é a professora Teresa Rita Lopes.

Todos os alunos que estiveram presentes na aula de E.V.T. a seguir à visita fizeram um pequeno relatório do que viram. Claro que estou a falar dos alunos do 6ºAno da Turma I.

Eles disseram que o pintor estava representado por duas fases da sua pintura: uma em que pintava a figura feminina, com animais e plantas, e outra em que a figura feminina continuava a estar presente mas num ambiente mais surrealista.

O escultor explora o mesmo tema: a figura feminina.

Estes dois artistas plásticos têm, pois, em comum representar a figura feminina e, ambos também, representam-na gorda, como se pode apreciar nas fotos acima.

Da escritora, investigadora e professora Teresa Rita Lopes os alunos aprenderam que se dedica especialmente ao estudo da obra de Fernando Pessoa. Ficaram também a saber que esta escritora escreve livros infantis.

submetido por Lourdes em 16:30 | 5 comentários links para este post